Quando recusar clientes na advocacia?



Neste artigo vamos falar sobre quando recusar clientes na advocacia. De fato, é algo que talvez soe impensável para você. Principalmente, levando em conta o ponto em que sua carreira está.


Em algumas situações, porém, acaba sendo uma atitude necessária. A fim de que você não perca de vista seus objetivos pessoais e profissionais. Assim sendo, continue lendo para entender mais sobre o tema.


Motivos para negar clientes na advocacia

Quando comecei minha carreira, eu acreditava ser impossível dizer não a um cliente em potencial. Afinal, todo recém-formado na profissão quer logo mostrar serviço. Além disso, fica ansioso para conquistar uma clientela própria.


Mas, é quase certo que em dado momento, você tenha que recusar clientes na advocacia. Pois, alguns deles aparecem disfarçados de oportunidades. Contudo, o que acaba acontecendo é que afastam você de seus objetivos. Embora isso não seja proposital.


As oportunidades que te afastam de sua área de atuação

Saber o que você quer para sua vida, é um ato de autoconhecimento. Desse modo, suponha que você ame direito imobiliário extrajudicial. Aliás, você está certo de que é isso que deseja como profissional.


E você se dedica a isso nos estudos. Bem como, investe em cursos, participa de eventos. Inclusive, adquire livros sobre o tema. Então, num belo dia, uma empresa vem até você. A fim de lhe proporcionar uma oportunidade que irá te ajudar: uma grande ação trabalhista.


Ao analisar o valor a ser ganho, você percebe que é uma chance imperdível. Isto é, ao menos financeiramente. Desse modo, você abraça esse momento. Porém, o que está acontecendo é que ele está te afastando do seu caminho.


Recusar clientes na advocacia: tudo bem repensar o rumo da carreira

Vale ressaltar, que talvez você acabe gostando desse até então desconhecido ramo de atuação. Portanto, tudo bem recalcular a rota da sua vida profissional. Mas, se eu recebesse essa proposta, como seria?


Bom, eu não tenho afinidade alguma com direito trabalhista. Então, no meu caso, não seria uma excelente oportunidade. Enfim, não serão os honorários super valorizados que tornarão essa oferta irrecusável.


Clientes que estão longe de seus objetivos de vida

Suponha que apareça uma chance de trabalhar na Câmara dos Vereadores da sua cidade. Logo, você imagina que é um convite incrível. Afinal, é uma renda fixa. Mas, será mesmo que é uma grande chance?


O que eu quero é te fazer pensar quando for recusar clientes na advocacia. Pois, talvez faça sentido para você desconstruir tudo o que planejou. Por exemplo, advogar seis horas por dia e dedicar duas para estudos. Ou ainda, tirar três horas para gerir seu escritório.


Eu quero é que você considere sobre o que é de fato uma oportunidade. Inclusive, aqui vai uma dica sobre uma leitura incrível que aborda esse assunto. Isto é, sobre o que é realmente essencial. Principalmente, nas questões profissionais.


O livro se chama Essencialismo, do autor Greg Mckeown. Dessa forma, é uma daquelas leituras que nos fazem refletir bastante. Sobretudo, em relação ao que parece ser e não é.


Quando definem o valor do seu serviço

Essa é a terceira situação que faz um profissional recusar clientes na advocacia. Assim, alguns chegam e já querem impor determinado valor nos seus honorários. De fato, esse é um grande sinal de que você deve dizer não a ele.


Ninguém pode definir quanto custa sua hora, seu conhecimento. Principalmente, porque só você sabe o quanto você se dedica nesse ofício.


E apenas você entende quanto tempo e dinheiro foi investido para se tornar um advogado. Então, jamais permita que alguém faça isso.


O único que pode quantificar o valor do seu serviço é você mesmo. Portanto, mostre o preço do seu trabalho. A partir disso, vai do próprio cliente aceitar ou recusar.


Cuidados ao recusar clientes na advocacia

Há situações em que alguns podem tentar negociar com você. Por exemplo, propondo outras formas de pagamento. Bem como, um percentual de entrada, com parcelas divididas. Sem dúvida, isso é bem comum e até aceitável.


O que não se deve aceitar é quando um cliente tenta diminuir seu valor. Dessa forma, se você cobra R$15 mil de honorários, é isso e pronto.


Não cabe a ele dizer que seu trabalho vale menos. Pois, se você permitir tal fato, sua credibilidade acaba perante o cliente. Além disso, você perde totalmente a moral com seus colegas de profissão. Inclusive, com sua equipe de escritório também.


Quem determina o quanto vale sua hora, seu trabalho, é você. Dessa forma, negociar é livre, é válido. Porém, receber imposições do cliente sobre o valor dos seus serviços, não é bacana.


Recusar clientes na advocacia faz parte da jornada de trabalho

Esses foram os principais critérios para se negar a prestar serviços à determinada pessoa. Em primeiro lugar, quando eles te afastam da sua área de atuação. Ou seja, aquele caminho específico que você trilhou para a sua vida profissional.


Já em segundo lugar, aqueles que querem impor um valor ao seu trabalho. Portanto, se alguma dessas situações acontecerem com você, seja firme. Acima de tudo, não tenha medo de dizer não.



246 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo