Como se preparar para o futuro da advocacia?



As discussões sobre o futuro despertam dúvidas e deixam algumas pessoas apreensivas. A ideia de que a tecnologia venha a substituir em grande parte o trabalho humano acaba sendo o principal receio.


Já não é possível deixar de perceber a velocidade das mudanças, certo? E todas essas novidades podem causar algum desconforto, principalmente em profissionais de áreas mais tradicionais, como a do direito.


Se esse é o seu caso, este texto é para você! E se você mais se empolga do que se assusta com as possibilidades do futuro da advocacia, temos muito conteúdo para trocar, também. Afinal, estar por dentro das inovações e tendências tecnológicas é fundamental para se adaptar às mudanças e entender melhor o contexto atual da profissão.


Continue a leitura para saber mais sobre a interação entre tecnologia e advocacia! Vamos falar sobre questões como advocacia 4.0, inteligência artificial, design thinking, apresentar o Aurum Summit, entre outros pontos importantes.


Advocacia 4.0

A advocacia 4.0 se situa no contexto do que se convencionou chamar de revolução 4.0 ou 4ª revolução industrial.


Resumidamente, podemos dizer que a primeira delas se deu com a mudança da produção manual para a mecanizada, no início do século XVIII. A segunda, a partir de 1850, teve como marca o emprego da eletricidade para a produção de manufatura em massa. Já a terceira ocorreu no século XX com o advento da eletrônica, da tecnologia da informação e das telecomunicações.


Agora, todos nós estamos a bordo de uma 4ª grande onda de transformações tecnológicas que prometem mudar o panorama das relações de trabalho, da produção industrial e de mais uma série de aspectos fundamentais da vida moderna. Nesse contexto, o que temos é uma perspectiva de automação integral de processos produtivos em função de inovações ligadas à inteligência artificial, à internet das coisas, etc.


Para a advocacia em específico, a automação de processos de trabalho já é algo bastante presente. Quando falamos em advocacia 4.0, estamos, entre outros aspectos, nos referindo ao fazer jurídico que enxerga a tecnologia como uma aliada, e portanto, incorpora ferramentas digitais para otimizar sua atuação.


Na gestão dos escritórios, um bom software jurídico cumpre essa função permitindo a automatização de tarefas, suporte para trabalho à distância, acompanhamento processual mais eficaz e muito mais.


Inteligência artificial aplicada à advocacia

Há alguns anos, quando se falava em jurimetria - que pode ser resumida como o emprego de técnicas estatísticas ao Direito - em uma tentativa de prever decisões judiciais, tudo soava como uma perspectiva ainda distante.


Hoje, quem vem acompanhando o crescimento das lawtechs ou legaltechs, startups responsáveis por criar soluções tecnológicas voltadas ao mercado jurídico, sabe que não só a jurimetria, mas tantos outros produtos e serviços ligados à inteligência artificial já vêm sendo amplamente utilizados no Brasil e no mundo.


E falando sobre aplicação de jurimetria especificamente, o que se vê é o desenvolvimento de algoritmos inteligentes que combinados a abordagens estatísticas, buscam encontrar padrões em jurisprudências para entender como decisões judiciais são tomadas para determinados tipos de caso. Algumas empresas chegam a apresentar a probabilidade de desfecho ações judiciais.


Mas essa está longe de ser a única aplicação da inteligência artificial à atividade advocatícia. Há também a possibilidade de monitoramento e gestão de informações, conferência de andamentos processuais, automação aplicada a geração de documentos, entre outros pontos. Aqui, mais um vez, o software jurídico é o protagonista.


Usuários do software Astrea, por exemplo, já contam com a inteligência artificial para ter um controle ainda mais avançado de seus prazos processuais. E isso é só o começo de uma série de inovações que vem pela frente.


Blockchain e Direito

A tecnologia blockchain ganhou notoriedade a partir de sua aplicação para viabilizar transações envolvendo criptomoedas. Desde então, outras áreas, incluindo o direito, também passaram a discutir a possibilidade de adesão à essa tecnologia para inovar na condução de suas respectivas atividades.


E para compreender quais são essas possibilidades de aplicação, é interessante conhecer algumas das propriedades da tecnologia blockchain que podem ser resumidas nos seguintes pontos:


  • Formação de cadeias cronológicas;

  • Imutável: cada vez que um bloco é validado e adicionado à cadeia, ele nunca pode ser removido ou modificado;

  • Compartilhada: cada nó de rede (ou cada participante do sistema) possui uma cópia idêntica da cadeia – também conhecido como distributed ledger, ou seja, um livro diário compartilhado;

  • Descentralizada: nenhum nó de rede pode atuar sozinho como uma “parte confiável”, que contém uma cópia mestra da cadeia de blocos;

  • Transparente: todas as transações registradas na cadeia de blocos são visíveis para todos os nós da rede;

  • Inviolável: é extremamente difícil inserir uma transação fraudulenta ou mesmo apenas um erro de transação na cadeia de blocos.

O mercado jurídico passou a vislumbrar a aplicação do blockchain nas seguintes áreas:

  • Registro de provas autorais;

  • Registro de dados para escritórios e empresas;

  • Autenticação de documentos;

  • Celebração de contratos eletrônicos.


Design thinking para advogados

O design thinking é uma abordagem voltada à resolução de problemas de forma não linear. Esse é um método com aplicabilidade nas mais diversas áreas e tipos de atividade.


Ele busca desconstruir um comportamento muito comum no mundo do trabalho: a proposição de soluções imediatas. Com o design thinking, a apresentação de soluções é consequência de uma busca elaborada pelas causas do problema.


Nesse processo, é preciso se despir de quaisquer conceitos preestabelecidos sobre a questão, numa tentativa de trilhar caminhos não convencionais. É assim que acontece a inovação. ;)


Em outras palavras, a proposta do design thinking é entender o ecossistema no qual a questão a ser analisada está inserida, ao mesmo tempo em que se busca conhecer os anseios da equipe envolvida. Após concluído esse trabalho, a próxima etapa é identificar com mais precisão o real problema a ser resolvido para, então, enxergar as possibilidades de solução.


Há dezenas de possibilidades de aplicação do design thinking na advocacia. Uma delas é por meio do Design Sprint, que é uma esquematização, uma espécie de "receita de bolo" a ser seguida para resolver problemas.


O Design Thinking pode ser usado nos escritórios para melhorar o relacionamento com o cliente, desenvolver ações de marketing jurídico, criar posicionamento da marca do escritório, entre muitos outros desafios que demandam novas ideias.


Software jurídico moderno

Entre as perspectivas de futuro da advocacia, o software para advogados talvez seja a tecnologia mais conhecida e utilizada atualmente. Afinal, a ferramenta oferece recursos para automatizar rotinas administrativas em escritórios e permite que o advogado empregue mais tempo para dar encaminhamento aos casos sob sua responsabilidade. Esses são apenas alguns dos motivos para que essa solução venha se popularizando no mercado jurídico.


Entre as principais funcionalidades dos softwares, temos:


  • Cadastro automático de processos: basta digitar o número, selecionar o tribunal e o seu processo é cadastrado com todas as informações que você precisa de forma instantânea.

  • Acompanhamento processual automatizado: é possível receber alertas pelo sistema, sempre que houver movimentação nos processos.

  • Módulo financeiro: a gestão financeira fica alinhada às informações de casos, processos e clientes.

  • Armazenamento e gestão de documentos em nuvem: mais proteção para dados e arquivos, além da possibilidade de acessá-los de qualquer lugar via internet.

  • Abordamos muitos outros benefícios e dicas para escolher o melhor software jurídico num guia completo no nosso blog. Fique à vontade para acessá-lo e nos visitar sempre que quiser. Compartilhamos conteúdos diários sobre advocacia, empreendedorismo, tecnologia e inovação. ;)


Como estar sempre por dentro

Muitos profissionais já vêm observando um ganho sensível na gestão de seus escritórios ao adotar ferramentas e soluções inovadoras, o que impacta positivamente a lucratividade do negócio.


Antes de encerrar este conteúdo, vale destacar que a tendência é que ainda haja muitas novidades por vir no setor. Afinal, a tecnologia é algo bastante dinâmico. Por isso, a busca por conhecimento merece ocupar uma posição chave na rotina do advogado moderno.

Encontros que discutem o presente e o futuro da advocacia são uma ótima oportunidade para ficar de olho nas mudanças. O Aurum Summit é um evento anual que promove uma verdadeira imersão no futuro da advocacia.


Além de abordar temas que preparam os profissionais e o mercado para o futuro, é uma excelente oportunidade para vivenciar a cultura de compartilhamento e fortalecer o network.


Esperamos que você tenha gostado do conteúdo! Participe com a gente desse papo e conte nos comentários como você está se preparando para o futuro da advocacia.

--

Muito prazer, nós somos a Aurum! Desenvolvemos softwares jurídicos há mais de 25 anos e entregamos produtos de qualidade para aperfeiçoar a gestão e elevar a produtividade dos advogados. Temos dois softwares no mercado: o Astrea, criado para atender as necessidades dos advogados autônomos, pequenos e médios escritórios; e o Themis, focado em grandes bancas e departamentos jurídicos.

Se você gostou deste texto, aproveite para conhecer o nosso blog!

252 visualizações